Medo do fracasso

08/06/2016

Eu sempre fui daquele tipo de pessoa que precisa estar muito segura antes do próximo passo, mas todas as vezes que me vi completamente estagnada, quem estava lá era o medo do fracasso. Porém, minhas questões mais profundas não eram sobre como "eu" lidaria com ele, mas sobre como os "outros" lidariam com o meu insucesso.

Eu já me vi cercada por esse tipo de medo muitas e muitas vezes. Em algumas ocasiões, eu avancei com medo mesmo. Em outras situações, porém, perdi grandes oportunidades esperando o momento ideal, o momento perfeito, o momento em que não restaria mais nenhuma dúvida.

Então, eis que a vida me colocou frente a frente com o meu maior medo, vivenciando-o na pele. Eu, que tinha uma carreira promissora e em ascensão (mas extremamente infeliz); Eu, que não tinha coragem de largar tudo e recomeçar de onde queria (o que eu queria mesmo?); Eu, que tinha o emprego dos sonhos de muita gente por aí (menos dos meus sonhos); Eu, que não podia desistir de tudo aquilo que uma jovem pobre da periferia de São Paulo, havia conquistado com tanto suor e era motivo de orgulho para muita gente.

Até que uma depressão profunda me tirou do jogo (e hoje, só Deus sabe o quanto agradeço!). Passei pela difícil fase do sofrimento até superá-la e compreender que o medo, a insegurança e a vergonha nascem da falta de AUTOCONHECIMENTO. Essa palavrinha, olhada com nariz torto por muita gente, é o que faz a maior diferença no quesito "felicidade".

Depois de recuperada, recomecei como artesã e posteriormente, como revendedora de semi-joias porta a porta, a fim de levantar fundos para aquilo que eu realmente queria ser. Sim, precisei enfrentar e superar diversos preconceitos internos e externos e descobri que havia tanta coisa para experimentar e aprender neste novo mundo, daquelas que nem Harvard ensina!

Enfim, é muito comum sentir medo e insegurança diante de desafios, começos e recomeços, seja enquanto você constrói um negócio, ou diante de uma decisão importante, ou mudança de carreira, ou ainda assumindo uma nova posição na empresa (ou na sua própria vida).

Mas, e quando esse medo é tão forte que gera sensação de incapacidade? Quando ele começa a "travar" seus projetos e possíveis conquistas? E quando ele faz com que você se sabote? E quando ele não te permite mais sonhar???

1 - Não é possível estar constantemente 100% seguro: A vida é feita de ciclos. Uns mais longos outros muito curtos, mas que duram o tempo necessário. Se algo está saindo da sua vida e não depende de você mantê-lo, agradeça e aproveite o novo espaço preenchendo-o com carinho.

2 - Fracasso não é sinônimo de vergonha: Os insucessos são aprendizados e possibilidade de evolução. Quem nunca errou? Vergonha é insistir no erro fingindo que não há nada mais para aprender, mudar, melhorar. Viver de status e mentir para si mesmo enganando-se de que está tudo bem quando na verdade não está.

3 - Celebre seus fracassos: Não se leve tão a sério, ria de si de vez em quando para se libertar da perfeição utópica e comemorar os aprendizados que te levarão para o próximo nível.

4 - Desmistifique seu medo: Conheça todos os lados possíveis dos seus novos desafios e capacite-se, treine, fique bom no que precisa e melhor ainda naquilo que você já faz muito bem. Alimente o que há de melhor em você e questione, desafie as regras de vida que tem adotado como verdades absolutas.

Hoje aos 30 anos sigo em paz comigo, fazendo apesar do medo e de olho nos aprendizados, caminhando com as companhias que agregam valor e admirando as paisagens da jornada. Aprendi a controlar meus medos, ocupar meu lugar de dona deles e não o contrário. Compreendi que tudo o que eu quero está lá, do outro lado do medo. 

Olá! Sou Aline Macedo e atuo como Coach de Liberdade Profissional ajudando homens e mulheres que se sentem insatisfeitos ou frustrados sobre suas escolhas profissionais a construírem uma nova carreira ou negócio leve e com significado, recuperarem sua autoestima, superarem medos e bloqueios e colocarem seus maiores talentos e paixões no mundo em forma de um trabalho que gere realização, felicidade, renda e segurança financeira. 

Sempre ouvi aquelas pessoas que dão "piti" em público sendo chamadas de mal-amadas e minha interpretação sobre essa expressão, era de que o parceiro / parceira amoroso dessa pessoa não estava fazendo direito seu papel... Quando casei aos 21 anos, eu e meu esposo fizemos o cursinho de noivos e, em uma em uma das conversas com o...